Carros compartilhados em Fortaleza: veja como usar o serviço

carros compartilhados

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Não só no Brasil, mas em todo o mundo, a discussão em torno do universo automotivo não fala mais só de carros particulares e ônibus de transporte coletivo. Este tema ampliou-se para uma questão chamada mobilidade, que envolve esses dois tipos de veículos, mas inclui questões como Uber e outros aplicativos similares, compartilhamento de veículos, redução de poluentes e integração com outros modais – como bicicleta, por exemplo. Em resumo, a forma como as pessoas estão lidando com os veículos está mudando: elas estão, cada vez mais, deixando de vê-los como propriedades e passando a querer usá-los apenas como instrumentos de mobilidade.

Diante disso, Auto Blog Ceará foi procurar informações sobre uma iniciativa que vai ao encontro desta tendência: o serviço Veículos Alternativos para Mobilidade (Vamo), lançado pela Prefeitura de Fortaleza em 2016 e que completará, em setembro, dois anos de funcionamento. De acordo com a administração municipal, ele gerou, desde o início das operações até junho último, 2.860 viagens. Além disso, o número de usuários ativos subiu, no mesmo período, de 396 para 523 – um índice de mais de 30%.

Este, no entanto, é um total ainda pouco expressivo diante de um universo de veículos registrados na cidade, que é hoje é de mais de 800 mil veículos, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ou seja, há muito a crescer.

Renan Monteiro, assessor técnico da Prefeitura de Fortaleza e um dos responsáveis pelo acompanhamento do Vamo, afirma que a maioria dos usuários não tem nenhum veículo e mora mais afastado do Centro – ou seja, são pessoas que estão tentando fugir do desconforto do ônibus, do alto custo do taxi e da insegurança do mototáxi e procuram uma alternativa mais barata que o Uber, o 99 e aplicativos similares.

Em relação aos aplicativos, Renan garante que o Vamo é mais vantajoso para estes usuários. Pela tabela do serviço, dá para entender porque isso acontece. Em um trajeto imaginado entre a Igreja Matriz de Parangaba e a Praça Luiza Távora, no bairro Aldeota (percorrido de carro em 28 minutos, segundo o Google Maps), o valor no aplicativo 99, que é mais barato que o Uber, seria de mais de 24 reais. Pelo Vamo, sairia por R$ 15. Se a distância for curta, no entanto, os aplicativos ganham do serviço da Prefeitura. Esta característica do sistema se reflete no tempo médio de uso, que é de 130 minutos, de acordo com a Prefeitura.  

Para o professor Leonel Oliveira, usuário eventual do Vamo desde o início das operações do serviço, o principal motivo para isso é que nele o pagamento é com base no tempo e não na distância percorrida. “Sei que seria bem mais vantajoso se usasse diariamente para o meu deslocamento trabalho-casa, pois levo de 25 a 30 minutos”, afirma ele, que torce para que cresça o número de estações disponíveis. Outra vantagem que Leonel vê no serviço é em relação ao estacionamento, já que os veículos podem parar nas vagas da Zona Azul sem custo nenhum.

 

Carros compartilhados em Fortaleza: veja como usar o serviço
Leonel Oliveira em um dos carros compartilhados

“Vou de carro para o trabalho e ele fica das 9 às 18 horas parado no estacionamento. Dá uma sensação de não aproveitamento dele. Se tivesse uma estação minimamente perto, com certeza mudaria meu hábito para ser um usuário regular”, ressalta Leonel.

Atualmente, o Vamo tem 12 estações ativas – 7 a mais do que o número que o serviço tinha no início das operações, há dois anos. A presença delas é essencial para conquistar os usuários – especialmente os de classe média que têm carro e não querem andar muito, já que é preciso retirar e entregar o veículo compartilhado em uma delas. De acordo com Renan, como o serviço foi projetado para funcionar com um patrocínio, para não gerar custo para a Prefeitura de Fortaleza, qualquer expansão depende do interesse da atual empresa apoiadora, que é o plano de saúde Hap Vida, ou de outros representantes do setor privado que venham a se tornar financiadores do projeto.

“No momento,  a busca é para aumentar o uso das estações, para a circulação dos carros ficar mais balanceada. Alcançando isso, fica mais fácil expandir”, afirma ele. A explicação é simples: se algumas estações têm retirada constante de carros e não os recebem de volta com a mesma frequência, o sistema irá precisar devolvê-los, aumentando os custos para a empresa patrocinadora.

Para quem mora perto das estações, a facilidade faz toda a diferença. A jornalista Ana Alice Nogueira,  tem uma estação ao lado da sua casa. E por isso usa o Vamo semanalmente, como parte da sua rotina de mobilidade, que inclui ainda bicicleta, ônibus e carros de aplicativos. A comodidade proporcionada pelo Vamo, inclusive, a ajudou a manter uma decisão mais radical, que tomou há quase dois anos: não ter mais carro. “Posso dizer que o serviço é quase perfeito, tem um valor acessível, que é metade do que tinha quando começou, os carros são fáceis de dirigir e o tamanho deles ajuda bastante. O que tenho como observação é a pouca quantidade de estação para você transitar na cidade e a burocracia do cadastro”, afirma.

Ana Alice faz um tipo de uso dos carros compartilhados que se adequa bem à proposta do serviço, que é pegar o carro para resolver várias pendências juntas, aproveitando que a cobrança é por tempo e não por quilometragem. “Existem trajetos que ficam aproximadamente 50% mais em conta que os valores cobrados por aplicativos de transporte. Por isso, dependendo do tempo, eu opto pelo Vamo”, afirma ela.

Sobre as exigências para o cadastro, Renan explica que há uma preocupação maior com segurança. Além disso, com os veículos são elétricos, a forma de condução é um pouco diferente daquela à qual a maioria dos motoristas locais está acostumada. Os carros não têm marcha para passar e o motorista praticamente não ouve barulho do motor trabalhando. Por isso, o acesso ao serviço envolve a exigência de um test-drive para o interessado.

Saiba mais sobre os carros compartilhados

Como é administrado o serviço?

O Vamo tem funcionamento similar ao do Bicicletar: é acompanhado pela Prefeitura, mas seu gerenciamento é feito por uma empresa privada (no caso, a pernambucana Serttel, especializada em soluções para gerenciamento de trânsito, segurança e mobilidade urbana) com o apoio financeiro de um patrocinador (o plano de saúde Hap Vida).

Como posso fazer o cadastro?

No endereço www.mobilicidade.com.br/carroeletricofortaleza/cadastro/index.aspx. Além da carteira de motorista, o futuro condutor precisa apresentar comprovante de residência  e fatura de cartão do crédito usado na compra do passe, com data de emissão de até 90 dias. Também é exigido um test-drive com um dos veículos do serviço, que é agendado depois do cadastro.

Quanto custa o serviço?

O usuário paga uma taxa no mês em que for usar o carro. Ela é de 20 reais, que se convertem automaticamente em créditos para uso. O valor a ser pago obedece a uma tabela regressiva, na qual quanto mais tempo o usuário fica com o carro, menor é a tarifa. Veja os valores:

Até 30 minutos R$ 15,00

31 a 60 minutos R$ 20,00

61 a 120 minutos R$ 30,00

121 a 180 minutos R$ 35,00

181 minutos a 300 minutos R$ 35,00 + R$ 0,30 por cada minuto adicional

mais de 300 minutos R$ 35,00 + R$ 0,50 por cada minuto adicional

Que carros estão disponíveis?

São dois modelos da marca chinesa BYD. Um ultracompacto de dois lugares e uma minivan, com quatro lugares e bagageiro generoso. Ambos são 100% elétricos. Com carga completa, o compacto tem autonomia de aproximadamente 120 km e o grande roda o dobro da distância. Este número, no entanto, depende da forma de condução. Os veículos são equipados com ar condicionado e som e têm velocidade controlada eletronicamente: não passam de 60 km por hora.

Como o carro é liberado e devolvido nas estações?

O funcionamento é parecido com o do Bicicletar, através de um aplicativo no smartphone. Com o acesso, o usuário destrava as portas dos veículos.

É possível passar mais de um dia ou viajar com o carro?

Sim. A única limitação se deve à autonomia. Os carros só recebem carga nas estações, porque precisam de tomadas especiais para fazer a conexão na eletricidade.

Em caso de acidente ou roubo, há cobertura de seguro?

Sim. O usuário, no entanto, terá de pagar uma franquia R$ 2.500,00, caso seja comprovada sua culpa no incidente.

Em caso de multa de trânsito, o que acontece?

Além do valor da infração, o usuário paga um adicional de 20% de “taxa de serviço”

Onde ficam as estações?

Segue a lista:

Estação 1 – Igreja de Nazaré (Rua André Chaves, 177 – Montese – em frente à Igreja de Nazaré)

Estação 2 – North Shopping (Rua Moreira de Souza, 58 – Parquelândia – ao lado do Banco do Brasil)

Estação 3 – Praça Luiza Távora (Av. Santos Dumont, oposto ao número 1546 – Aldeota)

Estação 4 – Center Um (Rua Barbosa de Freitas, 1100 – Aldeota)

Estação 5 – Iguatemi (Av. Washington Soares, s/n – Edson Queiroz)

Estação 6 – Praça Martins Dourado (Rua Bento Albuquerque, s/n – Cocó)

Estação 7 – Praça da Imprensa (Rua Visconde de Mauá, s/n – Dionísio Torres)

Estação 8 – Praça Antônio Prudente (Av. Historiador Raimundo Girão, s/n – Meireles)

Estação 9 – Igreja de Fátima (Av. Deputado Oswaldo Studart, s/n – Fátima)

Estação 10 – Unifor (Av. Dr. Valmir Pontes, esquina com Av. Washington Soares – Edson Queiroz)

Estação 11 – Igreja Matriz da Parangaba (Rua Sete de Setembro, 217 – Parangaba)

Estação 12 – North Shopping Jóquei (Av. Lineu Machado, 419 – Jóquei Clube)

 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

How to Acquire Real Money Online

Have you ever been playing at online casino frozen gemss to know when they give away free winnings? Many individuals have been and continue to win real cash from these games. They’re a terrific way of learning the intricacies of how the casinos operate, how the games work and what is possible in terms

No Deposit Bonuses – How to Find Free money to play online A no deposit bonus is a reward that you can use to play real cash games and make. Usually, the only prerequisite for receiving this offer is to create a free casino account with an online casino that is a particular one. It may not apply to all games or categories. Poker players will only be eligible for a poker bonus, such as a no deposit bonus. You will not be eligible for it when you play slots. You will not be able to receive any credit at casinos that do not offer deposit bonuses. However, there are

Complement Date Love™ provides Seattle Singles 3 Full-Service getting Out of Their Funk and Into Meaningful Relationships

The Quick type: Renessa Rios, the Founder of complement Date appreciate, differentiates the woman matchmaking company by throwing a lot of singles activities to help individuals meet the other person in a comfortable setting. Experts in Seattle looking really love also benefit from the woman boutique matchmaking coaching and matchmaking services. Founded in 2008, fit Date appreciate links thousands of people of various age groups by bringing in all of them at social events as well as on one-on-one dates. Weekly, the Match Date Love staff arranges around 20 to 30 dates while organizing mixers (over 80 annually) to carry people out of their layer. With sincere guidance, welcoming assistance, and user-friendly

Slots Machine Theory

A slot machine, also known as the fruit machine or fruit machine, also known as pugs or fruit machines, is a device that brings a lot of luck for its players. Although players can lose large amounts of money playing these machines without winning, you also stand a good chance of hitting the jackpot. The slot machine industry is huge and generates

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail