Tintas automotivas têm muita tecnologia: saiba mais sobre elas

tintas automotivas

Compartilhe:

De acordo com a multinacional alemã Basf, ela fornece tintas automotivas para praticamente todas as grandes montadoras – “cerca de 50% de todos os carros produzidos no mundo e aproximadamente 75% dos produzidos na Europa têm alguma camada de tinta fornecida pela Basf”, diz a empresa. No Brasil, ela afirma que seus produtos estão nos modelos de marcas que estão entre as mais conhecidas do mercado nacional, como Volkswagen, Stellantis, General Motors e BMW.

Com base nesse cacife da empresa, Auto Blog 8.5 a procurou para saber curiosidades sobre as tintas automotivas e as principais diferenças que elas têm em relação às usadas em outros segmentos – como a construção civil, por exemplo. É fato que a parede interna de uma casa sofre muito menos exposição do que um automóvel, já que este último recebe por anos a fio uma grande carga de fatores como raios solares, variações de temperatura, chuva e produtos químicos usados em lavagens e polimentos. Na prática, então, como se dá o processo de pintura em um carro?

“Quando se fala em tintas automotivas, se fala em alta tecnologia. Trata-se de um produto muito sofisticado, onde poucas empresas no mundo têm capacidade de fornecer”. A afirmação é do diretor de tintas automotivas da Basf para a América do Sul, Marcos Fernandes. Ele explica que diferentemente de outras aplicações, nas quais uma ou duas demãos já são suficientes para cobrir a superfície, um veículo tem sua carroceria pintada, usualmente, com 5 camadas diferentes.

Na primeira, a carroceria do veículo passa por um pré-tratamento por imersão para limpeza e preparação, para receber as camadas de tintas. A seguir, essa carroceria é imersa em um tanque para pintura em um processo chamado “e-coat”. Nele, uma carga elétrica faz com que a tinta seja depositada uniformemente na superfície. “Esta camada é muito importante, pois é ela que dá a proteção contra a oxidação (ferrugem)”, afirma Marcos.

O próximo passo é uma sucessão de pinturas feitas com robôs na qual é aplicado o “primer” (lê-se “práimer”), que garante a proteção contra impactos (batidas de pedras, por exemplo) e prepara a superfície para as próximas etapas. Depois disso vem a camada base, que traz a cor e efeitos como o metálico e o perolizado. Por fim, o veículo recebe a última camada que é o verniz. É ele que dá o brilho e a proteção final da pintura. O verniz, vale ressaltar, é a camada desgastada quando o carro passa por um polimento mais rigoroso como o cristalizado. Por isso, inclusive, que há limites para esse tipo de polimento.

tintas automotivas

 

Durabilidade é característica principal das tintas automotivas

Para se ter ideia do nível de resistência que tintas automotivas precisam apresentar, as cinco camadas sobrepostas, segundo Marcos, “têm uma espessura de aproximadamente um décimo de milímetro, ou seja, mais finas que um fio de cabelo”. E elas precisam suportar, por anos, todas as intempéries às quais o veículo é exposto diariamente (radiação solar, batidas de pedras, chuva de granizo, excremento de pássaros, exposição a elementos ásperos, dentre outras).

Diante desses desafios, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento resultam em produtos pensados para aumentar a resistência. Um exemplo é o verniz iGloss, da Basf. A tecnologia usa uma química que combina materiais que apresentam muita elasticidade com nanoclusters semelhantes a vidros que têm alta resistência a arranhões. Essa combinação permite que o iGloss repare pequenos arranhões por meio de “refluxo instantâneo”, no qual o verniz se recupera de pressões externas de forma análoga às cerdas de uma escova. O processo permite que o verniz recupere até 90% da deformação causada por um arranhão.

Para quem quiser mais informações sobre o tema, recomendamos o site (conteúdo em inglês) da divisão de tintas da Basf: www.basf-coatings.com/global/en.html

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

e-tech

Renault E-Tech traz Kwid elétrico e novos carros para 2023

A Renault realiza, entre os dias 5 e 9 de setembro, o Renault E-Tech, evento de divulgação da estratégia da montadora para investimento em veículos elétricos. Um dos principais atrativos é o lançamento oficial e início das vendas do Kwid E-Tech, versão 100% elétrica do compacto mais “barato” que a empresa comercializa no Brasil desde 2017.  Além disso, a Renault trouxe para exposição outros modelos que fazem parte da estratégia e também estarão disponíveis no Brasil: o Megane E-Tech, a van Master E-Tech e o Kangoo E-Tech . “Os três veículos chegarão no primeiro semestre de 2023”, promete a fábrica. A pré-venda do Kwid E-Tech começou em abril e, de

audi

Audi estará na Fórmula 1 a partir de 2026

Ícone mundial do automobilismo de alta performance, a montadora alemã Audi anunciou que estará na Fórmula 1 a partir de 2026. Ao que tudo indica, a decisão tem a ver com a meta de associar sua marca com a série de novidades que a competição irá implantar a partir daquele ano, quando novas regras técnicas serão aplicadas para deixa-la mais sustentável. Dentre as mudanças previstas estão o uso de combustíveis sintéticos (hidrogênio, por exemplo) e motores híbridos. “Além disso, a Fórmula 1 estabeleceu a meta ambiciosa de ser uma competição neutra em carbono até 2030”, acrescenta a Audi, justificando seu interesse em fazer parte do desenvolvimento das novas tecnologias. Vale

novo c3

Novo Citroën C3 tem preço a partir de R$ 68.990 sem pintura metálica

“Acessível, inovador, prático, inteligente e com atitude SUV”. Foi assim, sem economizar nos adjetivos e juizos de valor (como é típico das montadoras), que a Citroën anunciou a chegada do novo C3, sobre o qual já falamos. Primeiro de uma família de três modelos desenvolvidos e fabricados na América do Sul, o carro representa, segundo a fábrica, uma “nova fase” sua no Brasil depois de uma trajetória meio errática que deixou seus carros com fama de caros e complicados de manter. Um dos destaques dados pela Citroën é que o novo C3 está posicionado na faixa de preço próxima de modelos menores, mas com um porte que o aproxima um

fluido veicular

Fluido veicular: conheça os 6 tipos que seu carro tem

Fluido veicular – Para quem não sabe, é possível fazer um paralelo entre os princípios de funcionamento de um carro e do corpo humano. Na geração de energia, por exemplo, nós precisamos do oxigênio e de alimentos. Os veículos também usam oxigênio no seu processo, e o combustível entra como o segundo componente, no lugar da nossa comida. E também como acontece com os seres humanos, fluidos são essenciais para todos os meios de locomoção motorizados. Assim como nós não passamos mais que três dias sem água, um veículo simplesmente para de funcionar se não estiver com os componentes líquidos que precisa para se mover. De acordo com a divisão

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail