Seguro de carros antigos: você sabia que ele existe?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Além de mais manutenção para o proprietário, carros com mais de 10 anos de uso também dão mais trabalho para seguradoras que os novos ou seminovos. Um dos motivos para isso é que se acontecer algum acidente e o veículo precisar de reposição de peças, as seguradoras não as  encontram com muita facilidade para este tipo de veículo. Isso acontece porque como as montadoras costumam fazer modificações anuais em seus modelos, é comum que o mercado não ofereça todos os componentes dos que foram fabricados há muito tempo, sejam peças do motor ou da lataria. Por isso, o seguro para um modelo com mais de 10 anos, por exemplo, não é tão simples de fazer como para um zero km.

A boa notícia é que existem opções específicas que são oferecidas pelas seguradoras para proteger veículos com mais “idade”. O seguro auto para carros antigos é destinado a modelos com mais de 5 anos de uso e pode oferecer preços mais em conta que o seguro tradicional. Para isso, ele tem coberturas menos abrangentes e utiliza, no conserto dos carros que sofreram acidentes, peças usadas (estas peças, no entanto, possuem procedência confirmada).

 Porque é importante proteger seu veículo velhinho

As seguradoras possuem um limite para proteção. A maioria delas aceita carros com até 15 anos. Por isso, se você tem um carro com mais de 10 anos de uso, considere contratar o seguro o quanto antes. Não espere os anos passarem, pois além do risco de ter seu carro furtado ou roubado, veículos com 20 anos de uso ou mais dificilmente serão aceitos pelas empresas.

Outra vantagem de contratar o serviço para um carro com mais “idade” é que se ele “envelheceu” junto com a seguradora, o seguro é renovado periodicamente, já que o veículo possui todo um histórico junto à empresa. Assim, mesmo passando de uma década de existência, ainda há possibilidade, graças a esse histórico, de negociar a renovação.

É bom lembrar, ainda, que quanto mais velho for o carro, maiores serão os valores para a proteção, já que, como dissemos, o veículo vai ter custo mais alto em possíveis consertos e as peças originais são mais difíceis de serem encontradas. Mas se o motorista já é cliente e tem um bom conceito, sem muitos incidentes nem multas, pode tentar negociar um bônus com a seguradora e ter desconto na renovação.

Por fim, outro motivo para contratar o seguro é que, diferente do que se pensa, carros mais antigos são visados por ladrões, já que suas peças possuem alto valor no mercado negro.

Como contratar um seguro para carros antigos?

Antes de fazer a contratação, você deve cotar com todas as seguradoras que oferecem essa modalidade específica de seguro. Dessa forma, é possível comparar as coberturas e valores, além de serviços extras, encontrando assim, o que oferece a melhor relação custo-benefício.

Além disso, se você quer deixar o serviço mais barato, procure ter um bom histórico como motorista, ou seja, não se envolva em acidentes e não perca pontos na CNH. Outra maneira é considerar instalar dispositivos de proteção veicular como rastreador, alarme ou bloqueador, entre outros. Esses itens são importantes na hora da seguradora avaliar o bem, já que identificam um veículo que pode gerar menos despesas para ela.

Principais vantagens da contratação do seguro para carros antigos

– O seu veículo estará protegido em vários lugares (dependendo apenas da abrangência do contrato) e você poderá circular com ele com muito mais tranquilidade;

– O valor do seguro é mais barato do que o do seguro tradicional. Ele pode chegar a ser 50% menor, dependendo das condições do contrato;

– Como ele dá a possibilidade da seguradora usar peças de segunda mão, isso facilita a reposição, já que elas são mais fáceis de serem encontradas.

Agora que você já sabe que veículos com mais de 10 anos também podem ser protegidos pelas seguradoras, é bom aproveitar as vantagens desse serviço e andar com mais tranquilidade pelas ruas da cidade.

Com colaboração de Andreia Silveira, do site Seguro de Automóvel (www.segurodeautomovel.org).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

eletrificação automotiva

BMW e Porsche avançam (ainda mais) na eletrificação automotiva

O futuro da eletrificação automotiva no mundo, ainda às voltas com desafios relacionados a tempo de recarga e extração de minérios para as baterias, por exemplo, é uma incógnita. Mas é fato que nos países desenvolvidos as grandes empresas seguem investindo para aprimorar seus produtos. Dois casos recentes na Alemanha dão conta do que está sendo feito para tornar o uso de veículos 100% elétricos mais próximo da realidade de muitos consumidores. No primeiro caso, o BMW Group inaugurou, na Alemanha, a sua segunda linha de produção de módulos para baterias. Os produtos serão direcionados ao i4, modelo totalmente elétrico fabricado naquele país. A expansão ocorre um ano depois da

kwid

Kwid chega a mais de 300 mil unidades emplacadas no Brasil

Kwid – Com as reviravoltas do mercado brasileiro, que foi inundado por SUVs e está diminuindo cada vez mais as opções de carros de entrada (não temos mais, por exemplo, o Fiat Uno, o Nissan March nem o Toyota Etios, e o Renault Sandero vai sair de linha), o ultracompacto Renault Kwid foi um dos poucos que restaram nessa faixa. E o resultado de como esses veículos ainda continuam necessários está em um dado que a Renault divulgou: lançado no início de agosto de 2017, o Kwid ultrapassou a marca de 300 mil unidades vendidas. Descrito pela montadora, com certo exagero, como “o primeiro SUV compacto urbano” o Kwid consegue

Citroën C3

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Citroën C3 – País onde o carro, historicamente, é mais um símbolo de status do que um meio de transporte, o Brasil padece de um mal no mercado automotivo: a esmagadora maioria dos consumidores sonha em ter um SUV na sua garagem. Muitos preferem, aliás, um modelo desse tipo mais velho (e consequentemente com manutenção mais cara) do que um modelo mais novo de um hatch ou uma perua mais espaçosos. É por isso, inclusive, que opções como a Spacefox, da Volkswagen, ou a Toyota Fielder não emplacaram por aqui. Um detalhe: a Fielder era apenas um derivado do sedan Corolla, que segue vendendo muito bem. Ou seja, tinha custo

Jetta GLI

Jetta GLI: versão única esportiva por quase R$ 217 mil

Jetta GLI – No segmento de sedans médios, no qual o Toyota Corolla reina quase absoluto, com mais de 9 mil unidades vendidas no primeiro trimestre de 2022, o Volkswagen Jetta teve emplacadas, no mesmo período, apenas 41 carros. E esse quadro, para o modelo, não deve mudar muito com a chegada de sua nova versão, a GLI, que foi apresentada hoje. Com preço sugerido de R$ 216.990,00, o carro tem atributos como o motor 350 TSI de quatro cilindros de 231 cv de potência e 35,7 kgfm de torque com baixas rotações (já a 1.500 rpm), transmissão de dupla embreagem DSG com sete marchas e aceleração de 0 a

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail