ID.3 e ID.4: Volkswagen segue divulgação de seus modelos elétricos

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Difícil, cara e lenta, a estratégia de mobilidade elétrica das montadoras no Brasil segue com pequenos passos. Os modelos ID.3 e ID.4, da Volkswagen, que já são comercializados em regiões onde carros sem motor a combustão são viáveis, como os Estados Unidos e os países da Europa, passaram aqui por uma ação que a empresa definiu como “ID. Week, uma experiência inédita de condução dos modelos 100% elétricos da marca na cidade de São Paulo”.

A ação, na verdade, colocou em evidência uma estratégia que parece ser a mais provável para a Volkswagen e outras montadoras no Brasil: a mudança para os híbridos, muito mais viáveis em um país com infraestrutura quase inexistente para modelos 100% elétricos. Durante a ID. Week, a Volkswagen exibiu o crossover Nivus com a carroceria adesivada para reforçar o recente anúncio sobre o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Biocombustíveis da montadora. O Brasil  irá sediar e liderar um projeto voltado para o estudo de soluções tecnológicas baseadas em etanol e outros biocombustíveis para mercados emergentes. Isso inclui motores a combustão e soluções híbridas.

Já na Europa, informa a montadora, é a estratégia de eletrificação que avança. O ID.3, por exemplo, já contabiliza mais de 145 mil pedidos no mercado europeu. Pode ser pouco, para um mercado tão grande quanto o do Velho Continente, mas é preciso considerar que outras marcas também estão vendendo seus modelos elétricos. Trata-se, portanto, de um processo que já começou. Diferentemente do nosso, onde esse tipo de carro está com números comercializados ainda nas centenas de unidades por ano.

O ID.3 e o ID.4 são montados sobre a plataforma MEB, dedicada aos automóveis elétricos do Grupo Volkswagen. As versões presentes na clínica de rodagem da Volkswagen realizada em São Paulo têm motor de 204 cv e torque de 310 Nm (alimentados pelo conjunto de baterias de 58 kWh e 77 kWh, respectivamente) e têm autonomia prevista de até 426 km, para o ID.3, e de 522 km para o ID.4. Nos dois modelos, o sistema de recarga rápida é capaz de recuperar até 80% da bateria em aproximadamente 50 minutos, considerando a recarga DC (um sistema de recarga rápida especial).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

eletrificação automotiva

BMW e Porsche avançam (ainda mais) na eletrificação automotiva

O futuro da eletrificação automotiva no mundo, ainda às voltas com desafios relacionados a tempo de recarga e extração de minérios para as baterias, por exemplo, é uma incógnita. Mas é fato que nos países desenvolvidos as grandes empresas seguem investindo para aprimorar seus produtos. Dois casos recentes na Alemanha dão conta do que está sendo feito para tornar o uso de veículos 100% elétricos mais próximo da realidade de muitos consumidores. No primeiro caso, o BMW Group inaugurou, na Alemanha, a sua segunda linha de produção de módulos para baterias. Os produtos serão direcionados ao i4, modelo totalmente elétrico fabricado naquele país. A expansão ocorre um ano depois da

kwid

Kwid chega a mais de 300 mil unidades emplacadas no Brasil

Kwid – Com as reviravoltas do mercado brasileiro, que foi inundado por SUVs e está diminuindo cada vez mais as opções de carros de entrada (não temos mais, por exemplo, o Fiat Uno, o Nissan March nem o Toyota Etios, e o Renault Sandero vai sair de linha), o ultracompacto Renault Kwid foi um dos poucos que restaram nessa faixa. E o resultado de como esses veículos ainda continuam necessários está em um dado que a Renault divulgou: lançado no início de agosto de 2017, o Kwid ultrapassou a marca de 300 mil unidades vendidas. Descrito pela montadora, com certo exagero, como “o primeiro SUV compacto urbano” o Kwid consegue

Citroën C3

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Citroën C3 – País onde o carro, historicamente, é mais um símbolo de status do que um meio de transporte, o Brasil padece de um mal no mercado automotivo: a esmagadora maioria dos consumidores sonha em ter um SUV na sua garagem. Muitos preferem, aliás, um modelo desse tipo mais velho (e consequentemente com manutenção mais cara) do que um modelo mais novo de um hatch ou uma perua mais espaçosos. É por isso, inclusive, que opções como a Spacefox, da Volkswagen, ou a Toyota Fielder não emplacaram por aqui. Um detalhe: a Fielder era apenas um derivado do sedan Corolla, que segue vendendo muito bem. Ou seja, tinha custo

Jetta GLI

Jetta GLI: versão única esportiva por quase R$ 217 mil

Jetta GLI – No segmento de sedans médios, no qual o Toyota Corolla reina quase absoluto, com mais de 9 mil unidades vendidas no primeiro trimestre de 2022, o Volkswagen Jetta teve emplacadas, no mesmo período, apenas 41 carros. E esse quadro, para o modelo, não deve mudar muito com a chegada de sua nova versão, a GLI, que foi apresentada hoje. Com preço sugerido de R$ 216.990,00, o carro tem atributos como o motor 350 TSI de quatro cilindros de 231 cv de potência e 35,7 kgfm de torque com baixas rotações (já a 1.500 rpm), transmissão de dupla embreagem DSG com sete marchas e aceleração de 0 a

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail