Fórmula 1 – veja detalhes técnicos das mudanças para temporada 2022

Fórmula 1

Compartilhe:

Fórmula 1

Um laboratório para o automobilismo mundial, a Fórmula 1 é responsável por várias inovações que hoje equipam carros de passeio. Dentre elas estão, por exemplo, o computador de bordo, a suspensão ativa, a transmissão automatizada e as carrocerias com fibra de carbono. Mas como sempre acontece em ambientes com muito experimentalismo, existem criações que podem não dar muito certo e acabam sendo abandonadas ou tendo seu uso adiado.

Um exemplo disso pode ser citado entre o conjunto de mudanças da competição de 2022, em relação às regras da temporada do ano passado. A organização definiu que a partir de 2026 os motores dos carros irão abolir uma unidade chamada MGU-H (a sigla vem de Motor Generator Unit – Heat), cuja função é gerar energia elétrica a partir do calor do escapamento para alimentar um motor elétrico e, com isso, aumentar a potência total do veículo. Se você quiser saber mais sobre o módulo, a Mercedes-Benz foi uma das equipes que o desenvolveu bem.

Esse módulo começou a ser desenvolvido a partir de 2014 quando, pressionada pela onda ambientalista mundial que tem os motores a combustão entre os grandes vilões do planeta, a Fórmula 1 implantou a tecnologia híbrida em seus modelos de corrida, para que eles se tornassem menos poluentes. Mas o uso do MGU-H foi abolido por ser complexo, caro e deixar as equipes em condições desiguais, já que algumas souberam desenvolver e usá-lo muito bem, e outras não tiveram o mesmo sucesso.

Com isso, já a partir de agora as atuais equipes não precisam mais gastar pequenas fortunas em estudos com o MGU-H. E a organização da Fórmula 1 espera atrair novas grandes marcas para participar de suas corridas, agora que elas sabem não ser mais preciso esse investimento. Em médio prazo, a partir da temporada deste ano, a expectativa é aumentar o número de competidores e deixa-los em situação mais equilibrada e com menos custos.

Também pensando na competitividade, a Fórmula 1 decidiu, já para a temporada de 2022, alterar o design dos carros – especialmente as peças que mais influenciam a aerodinâmica. Começando pela asa dianteira (aquele “bigode” bem característico dos carros), ela foi projetada para ser mais simples que a do carro antecessor, com placas terminais mais altas, mas com elementos menos complexos.

O principal objetivo da mudança é erradicar um fenômeno chamado “vórtice Y250”. Trata-se de um fluxo de ar intencionalmente direcionado para as laterais do carro com o objetivo de evitar que ele vá para espaço entre o piso e o solo, o que prejudica a aderência e a estabilidade. Esse direcionamento, no entanto, acabava criando uma corrente de ar na traseira, prejudicando o desempenho na corrida. Vale ressaltar que com o fim desse fluxo para as laterais, elas próprias deixaram de existir nos carros, da forma que eram. Com o regulamento de 2022, esses componentes da carroceria passaram a ser proibidos.

Fórmula 1 - veja detalhes técnicos das mudanças para temporada 2022

Na asa traseira, também houve mudança com o objetivo de evitar fortes fluxos de ar. Por isso, as placas que formam a peça passaram a apresentar ângulos mais suaves (ao invés dos anteriores, que eram em torno de 90 graus). Isso reduziu a quantidade de fluxo nos cantos da asa, fenômeno que trazia muito “ar sujo”, nome dado à turbulência que o carro leva para o competidor que está atrás. Esse “ar sujo”, diminuía as chances dele fazer uma ultrapassagem – o que prejudicava a competitividade.

Já em relação à parte de baixo do carro, saiu o piso reto, usado na temporada 2021, e entraram dois túneis que criam áreas específicas para a passagem do ar, fazendo com que ele acelere e crie uma zona de baixa pressão que puxa o carro para baixo. Isso aumenta o desempenho e também ajuda o carro de trás, dispersando melhor o ar.

Por uma Fórmula 1 menos poluente

Por fim, para seguir dando satisfação à sociedade em relação ao meio ambiente, a Fórmula 1 resolveu aumentar o percentual de combustível sem origem no petróleo que é usado pelos motores. Até 2021, 5,75% do que era queimado vinha de biocombustível. Para este ano, serão 10% de etanol na mistura. Além disso, os modelos seguem com a tecnologia híbrida através de um motor elétrico sendo alimentado pela energia dos freios, a exemplo do que acontece nos carros de passeio.

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

e-tech

Renault E-Tech traz Kwid elétrico e novos carros para 2023

A Renault realiza, entre os dias 5 e 9 de setembro, o Renault E-Tech, evento de divulgação da estratégia da montadora para investimento em veículos elétricos. Um dos principais atrativos é o lançamento oficial e início das vendas do Kwid E-Tech, versão 100% elétrica do compacto mais “barato” que a empresa comercializa no Brasil desde 2017.  Além disso, a Renault trouxe para exposição outros modelos que fazem parte da estratégia e também estarão disponíveis no Brasil: o Megane E-Tech, a van Master E-Tech e o Kangoo E-Tech . “Os três veículos chegarão no primeiro semestre de 2023”, promete a fábrica. A pré-venda do Kwid E-Tech começou em abril e, de

audi

Audi estará na Fórmula 1 a partir de 2026

Ícone mundial do automobilismo de alta performance, a montadora alemã Audi anunciou que estará na Fórmula 1 a partir de 2026. Ao que tudo indica, a decisão tem a ver com a meta de associar sua marca com a série de novidades que a competição irá implantar a partir daquele ano, quando novas regras técnicas serão aplicadas para deixa-la mais sustentável. Dentre as mudanças previstas estão o uso de combustíveis sintéticos (hidrogênio, por exemplo) e motores híbridos. “Além disso, a Fórmula 1 estabeleceu a meta ambiciosa de ser uma competição neutra em carbono até 2030”, acrescenta a Audi, justificando seu interesse em fazer parte do desenvolvimento das novas tecnologias. Vale

novo c3

Novo Citroën C3 tem preço a partir de R$ 68.990 sem pintura metálica

“Acessível, inovador, prático, inteligente e com atitude SUV”. Foi assim, sem economizar nos adjetivos e juizos de valor (como é típico das montadoras), que a Citroën anunciou a chegada do novo C3, sobre o qual já falamos. Primeiro de uma família de três modelos desenvolvidos e fabricados na América do Sul, o carro representa, segundo a fábrica, uma “nova fase” sua no Brasil depois de uma trajetória meio errática que deixou seus carros com fama de caros e complicados de manter. Um dos destaques dados pela Citroën é que o novo C3 está posicionado na faixa de preço próxima de modelos menores, mas com um porte que o aproxima um

fluido veicular

Fluido veicular: conheça os 6 tipos que seu carro tem

Fluido veicular – Para quem não sabe, é possível fazer um paralelo entre os princípios de funcionamento de um carro e do corpo humano. Na geração de energia, por exemplo, nós precisamos do oxigênio e de alimentos. Os veículos também usam oxigênio no seu processo, e o combustível entra como o segundo componente, no lugar da nossa comida. E também como acontece com os seres humanos, fluidos são essenciais para todos os meios de locomoção motorizados. Assim como nós não passamos mais que três dias sem água, um veículo simplesmente para de funcionar se não estiver com os componentes líquidos que precisa para se mover. De acordo com a divisão

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail