Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Citroën C3

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Citroën C3 – País onde o carro, historicamente, é mais um símbolo de status do que um meio de transporte, o Brasil padece de um mal no mercado automotivo: a esmagadora maioria dos consumidores sonha em ter um SUV na sua garagem. Muitos preferem, aliás, um modelo desse tipo mais velho (e consequentemente com manutenção mais cara) do que um modelo mais novo de um hatch ou uma perua mais espaçosos.

É por isso, inclusive, que opções como a Spacefox, da Volkswagen, ou a Toyota Fielder não emplacaram por aqui. Um detalhe: a Fielder era apenas um derivado do sedan Corolla, que segue vendendo muito bem. Ou seja, tinha custo de manutenção parecido e oferecia a vantagem de ter mais espaço, mas não emplacou.

Com esse comportamento do mercado, as montadoras acabaram priorizando os SUVs, para suprir essa ânsia de quem tem (e até de quem não tem) dinheiro para comprar um modelo acima de 100 mil reais. E ficamos “órfãos” de peruas ou bons hatches com porta-malas acima de 300 litros. Confira a capacidade dos hatches mais vendidos, atualmente, do mercado: o Hyundai HB20 e o Fiat Argo têm 300 litros e o Chevrolet Ônix tem 303. O que tem melhor desempenho, nesse quesito, é o Renault Sandero, que oferece 320 litros, mas ele não está entre os mais vendidos no segmento e a montadora anunciou o fim da produção a partir de 2023, alegando vendas fracas.

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Por isso, é de se comemorar a chegada do novo Citroën C3, hatch que vai dar mais uma opção para quem busca um carro moderno e espaçoso e não quer ou não pode gastar rios de dinheiro com um SUV. Segundo a Citroën, o modelo tem bagageiro com 315 litros de volume, apenas cinco a menos que o Sandero, prestes a sair de linha no Brasil.

Um destaque importante, feito pela montadora, é que o modelo vai vir com várias tecnologias – outro quesito muito valorizado pelos consumidores brasileiros, que adoram ostentar a posse de um modelo que pareça mais próximo dos carros de luxo. Dentre os itens presentes no carro estão, por exemplo, painel 100% digital e sistema multimídia de 10,25 polegadas com Android Auto e Apple Carplay sem fio.

Em outro atributo no qual o consumidor brasileiro presta muita atenção, que é o design, a Citroën promete não desapontar. Uma das opções é a separação entre a carroceria e o teto em cores diferentes, com treze opções de customização disponíveis. No interior, o painel tem duas cores possíveis, cinza ou azul. Ao todo, considerando cores, acessórios, tipo de materiais e acabamentos, o novo Citroën C3 irá permitir mais de 150 combinações, de acordo com a montadora.

 

Montadora disponibilizou site para conhecer o Citroën C3

Sobre a motorização, a Citroën, no site que criou para dar informações sobre o novo modelo (www.citroen.com.br/veiculos-passeio/citroen-c3.html), limitou-se a dizer que ele “virá com motores de alta tecnologia para oferecer agilidade, economia e conforto”. Ou seja: na prática, não disse nada. Mas as especulações, na imprensa automotiva especializada, dão conta que o Citroën C3 terá uma opção 1.0, derivada da Fiat, e outra 1.6 vinda da Peugeot.

É sempre bom lembrar que Fiat, Peugeot e Citroën pertencem ao Grupo Stellantis, e compartilhamento de plataformas e motores são bastante comuns nesses casos de uma só empresa dona de várias montadoras. Para o novo Citroën C3 isso é um atrativo a mais, já que o uso de recursos de modelos já existentes no mercado pode trazer mais facilidade e menos custo de manutenção. A conferir.

E falando em tranquilidade e custo de manutenção, a Citroën tem um histórico errático de concessionárias e produção de modelos, o que traz certa insegurança para os consumidores. Por isso, um detalhe destacado pela montadora foi no atendimento pós-vendas.

“O novo Citroën C3 requer uma rede de concessionários à altura, por isso a Citroën prepara uma ofensiva inédita em sua rede, com uma abrangência de 80% do território nacional e um crescimento superior a 70% no número de concessionários em relação a 2019”, diz a empresa. A meta do grupo é chegar a 180 concessionários até o fim deste ano.

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

É importante dizer que o carro será fabricado no Brasil, ao invés de montado ou importado de países com os quais o Brasil tem acordos comerciais, como México ou os do Mercosul. Isso é um ponto positivo porque geralmente agrega uma rede de fabricantes locais de autopeças, agilizando o prazo de reposição e tornando os preços dos componentes mais acessíveis.

Por fim, falando de preços, o novo Citroën C3 já está à venda na Índia. E por lá, o modelo mais em conta sai pelo equivalente a 53 mil reais. Seria um sonho ter um hatch espaçoso por esse valor no Brasil, mas as especulações da imprensa especializada, até o fechamento de Auto Revista Ceará, davam conta de que o carro por aqui vai sair por algo entre R$ 66 mil e R$ 90 mil, dependendo da versão.

Para a nossa realidade, é um valor atraente, considerando que o minúsculo Renault Kwid, que oferece muito menos espaço que o C3, custa pouco mais de R$ 64 mil na versão de entrada. É torcer para o mercado brasileiro realmente contar com uma opção de hatch com boa relação custo-benefício e não ficar só na obsessão pelos SUVs.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

kwid

Kwid chega a mais de 300 mil unidades emplacadas no Brasil

Kwid – Com as reviravoltas do mercado brasileiro, que foi inundado por SUVs e está diminuindo cada vez mais as opções de carros de entrada (não temos mais, por exemplo, o Fiat Uno, o Nissan March nem o Toyota Etios, e o Renault Sandero vai sair de linha), o ultracompacto Renault Kwid foi um dos poucos que restaram nessa faixa. E o resultado de como esses veículos ainda continuam necessários está em um dado que a Renault divulgou: lançado no início de agosto de 2017, o Kwid ultrapassou a marca de 300 mil unidades vendidas. Descrito pela montadora, com certo exagero, como “o primeiro SUV compacto urbano” o Kwid consegue

Citroën C3

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Citroën C3 – País onde o carro, historicamente, é mais um símbolo de status do que um meio de transporte, o Brasil padece de um mal no mercado automotivo: a esmagadora maioria dos consumidores sonha em ter um SUV na sua garagem. Muitos preferem, aliás, um modelo desse tipo mais velho (e consequentemente com manutenção mais cara) do que um modelo mais novo de um hatch ou uma perua mais espaçosos. É por isso, inclusive, que opções como a Spacefox, da Volkswagen, ou a Toyota Fielder não emplacaram por aqui. Um detalhe: a Fielder era apenas um derivado do sedan Corolla, que segue vendendo muito bem. Ou seja, tinha custo

Jetta GLI

Jetta GLI: versão única esportiva por quase R$ 217 mil

Jetta GLI – No segmento de sedans médios, no qual o Toyota Corolla reina quase absoluto, com mais de 9 mil unidades vendidas no primeiro trimestre de 2022, o Volkswagen Jetta teve emplacadas, no mesmo período, apenas 41 carros. E esse quadro, para o modelo, não deve mudar muito com a chegada de sua nova versão, a GLI, que foi apresentada hoje. Com preço sugerido de R$ 216.990,00, o carro tem atributos como o motor 350 TSI de quatro cilindros de 231 cv de potência e 35,7 kgfm de torque com baixas rotações (já a 1.500 rpm), transmissão de dupla embreagem DSG com sete marchas e aceleração de 0 a

Han EV

Han EV, sedã, da chinesa BYD com quase 500 cv, chega ao Brasil

Você conhece a BYD? Provavelmente não. Apesar de ser uma das gigantes da indústria automobilística chinesa, no Brasil ela não tem presença marcante no mercado. Mas parece que a empresa, que tem como ponto forte um portfólio de veículos elétricos, quer mudar isso. E uma prova é o novo sedã Han EV, que passa ser comercializado no mercado brasileiro. Segundo a montadora, o modelo é “um dos elétricos mais vendidos na China e já contabiliza mais de 140 mil unidades comercializadas desde o seu lançamento, em 2020”. Mais uma prova de que a BYD realmente tem intenção de se firmar no mercado nacional é que a empresa investe em uma

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail