Test-drive da Amarok V6 3.0 Turbo: desempenho de carro esportivo

Amarok V6

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

É fato conhecido por todos que as picapes ditas médias (mais adequado chamá-las de grandes, porque a cada ano elas ficam maiores) são, para a esmagadora maioria dos usuários, vistas e usadas mais como carros de passeio do que como utilitários. Não é à toa que elas oferecem versões com equipamentos como sistemas multimídia integrados com o smartphone, câmbio automático e vários outros itens de conforto. A Amarok V6 versão Highline (uma abaixo da topo de linha, que é a Extreme), que tivemos oportunidade de conhecer e guiar pelas ruas de Fortaleza durante alguns dias, não foge a essa regra. Merece ser chamada de carro, porque, tirando características como a altura e o generoso espaço interno, que são típicas de um SUV, ela é um veículo que oferece muita comodidade para rodar no ambiente urbano.

Começamos destacando o fato de que o motor 3.0 turbo a diesel praticamente não é notado dentro do carro. Para ouvi-lo, é preciso acelerar forte, desligar o som e apurar um pouco os ouvidos. Outro detalhe é o conjunto de sensores de estacionamento distribuídos na frente e na traseira e a câmera de ré, que ajudam (e muito) a colocar o modelo em qualquer lugar sem medo.

Uma característica histórica dos modelos Volkswagen é o torque elevado. Qualquer pessoa que tenha guiado um veículo da marca e atentado para isso vai lembrar que os veículos são ágeis e respondem bem ao toque do acelerador, desenvolvendo rapidamente mesmo com o motor em rotações não muito altas. Pois também nisso a Amarok se assemelha aos demais carros de passeio da montadora alemã.

Motor é o grande destaque da Amarok V6

A despeito do tamanho gigantesco, típico de um veículo do seu segmento, a disposição do motor faz com que a Amarok saia da inércia de uma forma que impressiona bastante. Destacamos aqui que são da picape da Volkswagen a maior potência e o maior torque entre as quatro picapes mais vendidas no mercado (em ordem de vendagem, elas são a Toyota Hilux, a Chevrolet S10 e a Ford Ranger. A Amarok está em quarto lugar).

Também é uma característica só da Amarok a transmissão automática de oito velocidades. Os câmbios das demais picapes concorrentes têm seis velocidades. Além de ajudar a poupar combustível, este número de marchas também influencia a agilidade do motor, permitindo que o motorista já comece a ter um bom torque com apenas 1.500 rpm. Graças a esse conjunto, para motorista e passageiros uma das características que chama a atenção na Amarok é que, com um toque mais forte no acelerador, o turbo do motor age e o carro voa baixo, jogando as costas de todos contra os encostos dos bancos. A sensação, realmente, é de estar guiando um carro de passeio esportivo.

Em relação aos itens de conforto, a Amarok não fica a dever a nenhum sedan de luxo – outro tipo de veículo que é uma espécie de fetiche da classe média brasileira como símbolo de status. Para citar alguns dos equipamentos que a versão Highline oferece, ela vem com ar condicionado digital de duas zonas, piloto automático, sistema de navegação, equipamento de som e mídia com conexão para smartphones, sensor crepuscular (acendimento automático dos faróis quando detectada baixa luminosidade), volante multifuncional em couro com “shift paddles”, tração 4×4 permanente com distribuição da força entre os pneus controlada eletronicamente e bancos dianteiros com ajustes elétricos para motorista e passageiro.

Com pouco tempo de mercado, em relação aos concorrentes (foi lançada em 2010), a Amarok, como dissemos, ocupa a quarta posição no mercado. Ultrapassou concorrentes mais antigas e tradicionais, como a Mitsubishi L200 e a Nissan Frontier. Claro que conta a força da marca Volkswagen e sua extensa rede no Brasil. Mas é preciso reconhecer que a existência de versões com o bom motor V6 3.0 turbo ajudam o veículo a ter esses desempenho.

Muitos brasileiros gostam de carros com motor potente e ágil – até mesmo entre os consumidores de modelos 1.0 essa característica é valorizada. A Amarok V6 que guiamos, com suas características de sedan de luxo esportivo, certamente contribui para reforçar a imagem picape em suas várias versões.

 

Preço da Amarok V6 Highline: a partir de R$ 187.990,00

 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

eletrificação automotiva

BMW e Porsche avançam (ainda mais) na eletrificação automotiva

O futuro da eletrificação automotiva no mundo, ainda às voltas com desafios relacionados a tempo de recarga e extração de minérios para as baterias, por exemplo, é uma incógnita. Mas é fato que nos países desenvolvidos as grandes empresas seguem investindo para aprimorar seus produtos. Dois casos recentes na Alemanha dão conta do que está sendo feito para tornar o uso de veículos 100% elétricos mais próximo da realidade de muitos consumidores. No primeiro caso, o BMW Group inaugurou, na Alemanha, a sua segunda linha de produção de módulos para baterias. Os produtos serão direcionados ao i4, modelo totalmente elétrico fabricado naquele país. A expansão ocorre um ano depois da

kwid

Kwid chega a mais de 300 mil unidades emplacadas no Brasil

Kwid – Com as reviravoltas do mercado brasileiro, que foi inundado por SUVs e está diminuindo cada vez mais as opções de carros de entrada (não temos mais, por exemplo, o Fiat Uno, o Nissan March nem o Toyota Etios, e o Renault Sandero vai sair de linha), o ultracompacto Renault Kwid foi um dos poucos que restaram nessa faixa. E o resultado de como esses veículos ainda continuam necessários está em um dado que a Renault divulgou: lançado no início de agosto de 2017, o Kwid ultrapassou a marca de 300 mil unidades vendidas. Descrito pela montadora, com certo exagero, como “o primeiro SUV compacto urbano” o Kwid consegue

Citroën C3

Novo Citroën C3 chega em 2022 com promessa de boa relação custo-benefício

Citroën C3 – País onde o carro, historicamente, é mais um símbolo de status do que um meio de transporte, o Brasil padece de um mal no mercado automotivo: a esmagadora maioria dos consumidores sonha em ter um SUV na sua garagem. Muitos preferem, aliás, um modelo desse tipo mais velho (e consequentemente com manutenção mais cara) do que um modelo mais novo de um hatch ou uma perua mais espaçosos. É por isso, inclusive, que opções como a Spacefox, da Volkswagen, ou a Toyota Fielder não emplacaram por aqui. Um detalhe: a Fielder era apenas um derivado do sedan Corolla, que segue vendendo muito bem. Ou seja, tinha custo

Jetta GLI

Jetta GLI: versão única esportiva por quase R$ 217 mil

Jetta GLI – No segmento de sedans médios, no qual o Toyota Corolla reina quase absoluto, com mais de 9 mil unidades vendidas no primeiro trimestre de 2022, o Volkswagen Jetta teve emplacadas, no mesmo período, apenas 41 carros. E esse quadro, para o modelo, não deve mudar muito com a chegada de sua nova versão, a GLI, que foi apresentada hoje. Com preço sugerido de R$ 216.990,00, o carro tem atributos como o motor 350 TSI de quatro cilindros de 231 cv de potência e 35,7 kgfm de torque com baixas rotações (já a 1.500 rpm), transmissão de dupla embreagem DSG com sete marchas e aceleração de 0 a

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail