Curiosidade sobre veículos off road: o que o seguro não cobre?

Compartilhe:

Suzuki Vitara 4You AllGrip, Renault Duster Dynamique 2.0, Jeep Renegade 2.0, Volkswagen Amarok S e mais

Os veículos conhecidos como off road (que em inglês significa “fora da estrada), são modelos robustos, resistentes e geralmente possuem tração integral, ou seja, capazes de aplicar a força do motor nas quatro rodas. São indicados para pessoas que circulam muito em vias ou caminhos não pavimentados, seja a trabalho ou por diversão. No mercado nacional, não faltam exemplos deles. Seguem alguns: Suzuki Vitara 4You AllGrip, Renault Duster Dynamique 2.0, Jeep Renegade 2.0, Volkswagen Amarok S, Fiat Toro 2.0 Freedom 4×4, Subaru XV, Land Rover Freelander, Mitsubishi Pajero Full e Ford Ranger, entre outros.

Além de não serem veículos baratos, normalmente os off road dão um pouco mais de trabalho na hora de contratar um seguro do que um modelo de passeio comum. Veja a seguir mais informações de como funciona a cobertura para este tipo de carro.

Mais caro e mais difícil

Uma coisa é importante destacar: independentemente do custo ou de qualquer dificuldade que apareça, contratar um seguro auto é essencial para qualquer motorista. No caso dos veículos off road, no entanto, os proprietários precisam ser perseverantes na decisão de contratar o serviço, porque as seguradoras têm seus motivos para tornarem o processo mais trabalhoso. Um deles é que elas sabem que muitas vezes esses veículos são usados para a prática de esportes radicais, situações em que o veículo está mais exposto a acidentes.

Além disso, esse tipo de carro costuma circular em vias que tendem a danificar mais os seus componentes, causando um desgaste maior. Some-se a isso o fato de que se houver um acidente, a reposição de peças e a mão de obra especializada serão mais caras que as que seriam pagas para um carro de passeio comum.

Uma diferença para os veículos off road em relação ao seguro é que a chamada cobertura compreensiva, aquela que atende situações como colisão, roubo, furto e incêndio, pode não adiantar muito para quem usa mais o veículo em situações extremas. Isso acontece porque esta cobertura compreensiva possui algumas restrições, que as seguradoras chamam de riscos excluídos.

Elas abrangem situações como mau uso do veículo, exposição deliberada a riscos (colocar o carro para atravessar um rio, por exemplo), desgaste natural e circulação por vias não pavimentadas, impedidas ou não abertas para o tráfego. Por isso, é preciso ter sempre em mente que, mesmo segurado, o carro pode passar por situações em que não será possível usar o benefício.

Qual a melhor opção de seguro para os veículos off road?

Se o proprietário encontrar opções de cobertura compreensiva mas achar que não compensa contratar por causa da relação custo-benefício, considerando cobertura e restrições, uma solução possível é recorrer a alternativas. Uma delas é contratar um seguro básico, que garantirá indenização integral em caso de roubo ou furto sem a recuperação do veículo.

Outra é o seguro que garante indenização para danos corporais ou materiais causados pelo segurado a terceiros. Além disso, coberturas mais básicas permitem incluir assistência 24 horas, que dá acesso a uma série de serviços úteis para o dia a dia, como chaveiro, socorro mecânico e elétrico e guincho.

Em resumo contratar um seguro para veículos off road não é tão simples como para um carro de passeio e com certeza é bem mais caro. Mas não é algo impossível. E sempre vale a pena ter alguma prevenção.

 

Por Auto Blog Ceará e Jeniffer Elaina, do SeguroAuto.org

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais conteúdo para você

Relacionados

e-tech

Renault E-Tech traz Kwid elétrico e novos carros para 2023

A Renault realiza, entre os dias 5 e 9 de setembro, o Renault E-Tech, evento de divulgação da estratégia da montadora para investimento em veículos elétricos. Um dos principais atrativos é o lançamento oficial e início das vendas do Kwid E-Tech, versão 100% elétrica do compacto mais “barato” que a empresa comercializa no Brasil desde 2017.  Além disso, a Renault trouxe para exposição outros modelos que fazem parte da estratégia e também estarão disponíveis no Brasil: o Megane E-Tech, a van Master E-Tech e o Kangoo E-Tech . “Os três veículos chegarão no primeiro semestre de 2023”, promete a fábrica. A pré-venda do Kwid E-Tech começou em abril e, de

audi

Audi estará na Fórmula 1 a partir de 2026

Ícone mundial do automobilismo de alta performance, a montadora alemã Audi anunciou que estará na Fórmula 1 a partir de 2026. Ao que tudo indica, a decisão tem a ver com a meta de associar sua marca com a série de novidades que a competição irá implantar a partir daquele ano, quando novas regras técnicas serão aplicadas para deixa-la mais sustentável. Dentre as mudanças previstas estão o uso de combustíveis sintéticos (hidrogênio, por exemplo) e motores híbridos. “Além disso, a Fórmula 1 estabeleceu a meta ambiciosa de ser uma competição neutra em carbono até 2030”, acrescenta a Audi, justificando seu interesse em fazer parte do desenvolvimento das novas tecnologias. Vale

novo c3

Novo Citroën C3 tem preço a partir de R$ 68.990 sem pintura metálica

“Acessível, inovador, prático, inteligente e com atitude SUV”. Foi assim, sem economizar nos adjetivos e juizos de valor (como é típico das montadoras), que a Citroën anunciou a chegada do novo C3, sobre o qual já falamos. Primeiro de uma família de três modelos desenvolvidos e fabricados na América do Sul, o carro representa, segundo a fábrica, uma “nova fase” sua no Brasil depois de uma trajetória meio errática que deixou seus carros com fama de caros e complicados de manter. Um dos destaques dados pela Citroën é que o novo C3 está posicionado na faixa de preço próxima de modelos menores, mas com um porte que o aproxima um

fluido veicular

Fluido veicular: conheça os 6 tipos que seu carro tem

Fluido veicular – Para quem não sabe, é possível fazer um paralelo entre os princípios de funcionamento de um carro e do corpo humano. Na geração de energia, por exemplo, nós precisamos do oxigênio e de alimentos. Os veículos também usam oxigênio no seu processo, e o combustível entra como o segundo componente, no lugar da nossa comida. E também como acontece com os seres humanos, fluidos são essenciais para todos os meios de locomoção motorizados. Assim como nós não passamos mais que três dias sem água, um veículo simplesmente para de funcionar se não estiver com os componentes líquidos que precisa para se mover. De acordo com a divisão

Assine

Recebe novidades e ofertas de nossos parceiros na integra em seu e-mail